OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Terca-Feira, 04 de Agosto de 2020

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

Bruno Covas inicia rompimento com Dória

Prefeito e sua equipe de saúde discordaram de medidas tomadas pelo Comitê do Coronavírus de Dória e não participam mais das reuniões. Foto: montagem Flickr

Por Paulo Campos dia em OTB no Brasil

Bruno Covas inicia rompimento com Dória
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agência Trabalhador – São Paulo

Por conta da discordância com as decisões tomadas pelo Comitê do Coronavírus do Governo do Estado, a Prefeitura de São Paulo retirou seu representante – o secretário municipal de saúde, Edson Aparecido – do grupo e não participa mais das reuniões.

O principal motivo do rompimento foi a mudança das regras para enfrentamento da pandemia que, se antes colocavam a cidade de São Paulo à beira de avançar para um novo patamar de liberação, com as novas regras que surpreenderam Bruno Covas, deixaram a capital em situação imprevisível.

As novas regras tornaram difícil o avanço da capital para a fase verde.

O ponto mais difícil de ser alcançado será a condição (para avançar para a fase verde) de que a cidade tenha taxa inferior a 40 internações por 100 mil habitantes e 5 mortes por 100 mil habitantes para a migração para a fase de maior liberdade. Hoje a cidade de São Paulo tem 75 internações e 9 mortes por 100 mil habitantes.

Isso embora tenha havido redução da exigência de 40% para 25% o percentual de leitos vagos exigidos para que o município avance na flexibilização. A capital do estado apresenta hoje média de 56% dos leitos ocupados (44% livres) e estaria apta à fase verde na próxima semana, o que, com as novas regras, não acontecerá.

LEIA TAMBÉM: Doria consegue aprovar novo desconto para servidores de SP

LEIA TAMBÉM: Servidor que opinar contra o governo em rede social deve ser punido, determina CGU

LEIA TAMBÉM: Governo do Estado de SP: servidores que receberam auxílio emergencial poderão ser demitidos

Embora tanto o Governo do Estado quanto a prefeitura de São Paulo tenham negado a distenção, fontes explicaram que a relação azedou com a recusa, pelo Comitê, da solicitação da Prefeitura  de aumento em 1 hora para o funcionamento dos restaurantes (até 18h) que foi negada. Após a negativa, o secretário municipal da saúde saiu da reunião que acontece em aplicativo.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//