OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Quarta-Feira, 13 de Novembro de 2019

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

Desafio da OTB é engajar o trabalhador

EDITORIAL - Neste momento de transição política, com grande polarização entre direita e esquerda, o desafio da OTB é conseguir unir os trabalhadores na defesa de seus direitos. Foto OTB: Paulo Campos discursa em evento OTB

Por Anderson Luna dia em OTB no Brasil

Desafio da OTB é engajar o trabalhador
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agência Trabalhador, 03/12/2018, 16:00 h – São Paulo

Contrariando a expectativa divulgada pelo governo Temer, a reforma trabalhista vigente há pouco mais de um ano, não trouxe resultados positivos na geração de empregos. Por outro lado provoca prejuízos aos trabalhadores ao reduzir suas garantias,

A grande dificuldade é a mobilização destes trabalhadores. Onde havia união, os últimos movimentos políticos tem plantado a discórdia. Trabalhadores petistas se confrontam com trabalhadores que acreditam na plataforma de Jair Bolsonaro e, neste embate, perdem o foco, abrindo o flanco para que o empresariado aprove, sem resistência, projetos e reformas que, diferentemente do anunciado, visam aumentar lucros e diminuir responsabilidades.

A OTB – Ordem dos Trabalhadores do Brasil, desde sua criação, deixou claro que abre mão do imposto sindical, porém seu fim determinado pela reforma trabalhista teve clara intenção de enfraquecer o movimento sindical, o que de fato se deu.

Cortar direitos trabalhistas não gera emprego.

Paulo Campos, vice-presidente da OTB afirma que “mais que a redução dos valores, o desemprego e o aumento do trabalho informal tem enfraquecido o modelo tradicional de sindicalismo. Estes são dois dos motivos pelos quais a OTB também filia trabalhadores de maneira individual. Qualquer trabalhador pode se filiar diretamente à OTB, seja formal, informal ou mesmo desempregado.

“A OTB não cobra mensalidade ou taxa de filiação de seus associados” completou Anderson Luna, presidente nacional.

Esta determinação da OTB em atender da melhor maneira todos os brasileiros, tem resultado em um crescimento rápido da entidade enquanto as demais centrais sindicais tem diminuído de tamanho. A CUT, por exemplo, teve queda de 80% em sua arrecadação, criou um plano de demissão voluntária e perdeu cerca de 45% de seus funcionários. Tenta ainda vender sua sede para a Igreja Universal do Reino de Deus.

Paulo Campos disse que “O momento é precioso”. A OTB, com sua nova maneira de representar os trabalhadores é, neste momento, talvez a única entidade em crescimento, independente e sem ligações com grupos políticos capaz de defender os trabalhadores.

Aos dirigentes OTB, Campos deixou uma mensagem:

Presidentes, Diretores e amigos da OTB,

Amigos, o momento é de crescimento. É preciso que a OTB atinja todos os estados e todos os municípios deste imenso país. No momento estamos com sedes em boa parte do país, mas estados como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia não tem unidades OTB ainda.

Busquem pessoas interessadas nas cidades, pessoas que tenham desejo de participar das decisões e ter voz ativa em sua terra. Nós crescemos com indicações e, como uma grande família, confiamos na palavra de nossos irmãos. Convide seus amigos e parentes que residem em qualquer cidade a formar uma diretoria e fazer parte da OTB. Em breve teremos muita força e muito a oferecer. Contamos com vocês

Grande abraço,

Paulo Campos – Vice-Presidente”.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//