OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Quarta-Feira, 13 de Novembro de 2019

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

Greve geral em São Paulo

Está agendada para dia 04 de fevereiro a Assembléia Geral  dos servidores da Prefeitura de São Paulo para decidir a paralisação. Os funcionários públicos municipais estão se organizando na tentativa de reverter a reforma da previdência aprovada em dezembro.

Por Anderson Luna dia em Nossos Direitos e Conquistas

Greve geral em São Paulo
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agência Trabalhador, 28/01/2019, 13:00 h – São Paulo

Em reunião na sede da OTB – Ordem dos Trabalhadores do Brasil, nesta segunda feira (28) a diretoria da entidade decidiu apoiar o movimento contra a reforma da previdência organizado pelos servidores públicos municipais da cidade de São Paulo.

Os servidores agendaram para dia 04 de fevereiro às 14 horas, em frente ao prédio da Prefeitura uma ação intitulada “Assembléia Geral dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal com Ato pela Revogação do Confisco Salarial”, que pretende atrair a atenção da população sobre a situação dos funcionários públicos municipais.

Parte dos servidores estão sem reajuste salarial há mais de uma década. Estes servidores terão ainda aumento dos descontos em seus salários de 11% para 14% com a reforma aprovada. Na prática, alegam os organizadores da greve, a prefeitura está confiscando salários para cobrir déficits decorrentes de má gestão.

Os trabalhadores tem esperança de serem atendidos em suas reivindicações pelo prefeito Bruno Covas sem que tenham que deflagrar uma inédita greve geral, que paralisaria toda a prefeitura da cidade de São Paulo. Trabalhadores da Saúde, Educação, Serviço Social e Engenheiros estão à postos e prontos para parar, segundo os organizadores.

 

Greve em São Paulo

Panfleto de convocação para Assembléia Geral.

Mais que outras categorias, é certo que os professores entrarão em greve. Na última manifestação – que impediu a aprovação da reforma pelo ex-prefeito João Dória – chegaram a 100 mil pessoas (principalmente professores) defronte a Câmara Municipal, evento que terminou em violência, com vários feridos.

A OTB acredita no diálogo e torce que a revisão da legislação aconteça sem necessidade de parar os serviços e sem sofrimento para a população, mas reconhece os abusos praticados por diferentes governos, em especial na questão salarial que beira o absurdo e na manobra que resultou na aprovação da reforma da previdência sem que houvesse possibilidade de ampla discussão com os mais atingidos: os servidores públicos da cidade.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//