OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Domingo, 17 de Novembro de 2019

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

IR 2018, ganhos Uber, 99 e Cabify

Entenda quando o motorista é obrigado a declarar IR e o passo a passo para preencher a declaração, por Joelson Soares, ASMAA

Por Anderson Luna dia em OTB no Brasil

IR 2018, ganhos Uber, 99 e Cabify
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

ASMAA

Por Joelson Soares

18 abr 2018, 22h00

Sergipe

Quem foi motorista dos apps de transporte Uber, 99 ou Cabify em 2017 pode ter que declarar os rendimentos no Imposto de Renda 2018. O prazo para declarar o IR termina no dia 30 de abril.

O motorista parceiro dos aplicativos é um profissional autônomo, pois recebe os pagamentos de pessoas físicas e os apps de transporte são apenas intermediários.

Assim como um assalariado, o motorista só está obrigado a declarar IR se os seus rendimentos tributáveis somaram mais de 28.559,70 reais em 2017, entre outras obrigatoriedades.

Esse valor é a soma de todos os rendimentos tributáveis recebidos pelo profissional em 2017, incluindo ganhos com transporte de passageiros e outras atividades.

No caso do transporte de passageiros, somente 60% dos rendimentos são tributados pela Receita Federal. Os outros 40% dos rendimentos são isentos de IR, reduzindo a base de cálculo do imposto a pagar.

Assim, se o motorista ganhou 10 mil reais no ano com o transporte de passageiros, por exemplo, 6 mil reais serão tributados e 4 mil reais serão isentos de IR.

O governo dá esse benefício para quem trabalha com serviços de transporte para compensar os custos que o motorista tem com combustível e manutenção do carro, por exemplo.

Para calcular se os seus rendimentos tributáveis somaram 28.559,70 reais em 2017, o motorista deve incluir na conta somente 60% do valor total que ganhou com as viagens no ano passado, como orienta a coordenadora tributária da Sage Brasil, Andrea Nicolini.

É possível acessar pelos apps o demonstrativo com os valores recebidos pelas viagens em 2017, mas o ideal é fazer um controle pessoal dos rendimentos mês a mês. Quem for obrigado e não declarar corre o risco de cair na malha fina.

Além de ter que declarar os valores recebidos pelas viagens no IR, o  motorista precisa pagar o imposto sobre o que arrecadou em 2017 . Esse imposto deveria ter sido pago mês a mês em 2017, por meio do programa Carnê-Leão, da Receita Federal.

O programa calcula automaticamente o valor do imposto mensal que deve ser pago até o último dia útil de cada mês. Quem recebeu rendimentos tributáveis de até 1.903,98 reais é isento de IR. Acima desse valor, a alíquota varia entre 7,5% e 27,5%.

O imposto pago pelo Carnê-Leão é uma antecipação do valor total do IR devido, por isso, é abatido na declaração.

Quem não pagou imposto por meio do Carnê-Leão em 2017 deve baixar o programa de 2017 e pagar agora, com juros e multa.

Os juros equivalem à variação da taxa Selic no período, acrescida de 1% no mês do pagamento. A multa é de 0,33% por dia de atraso, limitada a 20% do imposto devido.

Quem não pagar o imposto em atraso por meio do Carnê-Leão está sujeito a pagar multa de 50% sobre o valor devido, mesmo que informe os rendimentos na declaração de IR.

 

O passo a passo para declarar no IR

Com o imposto pago via Carnê-Leão, é hora de informar os rendimentos tributáveis recebidos pelo Uber e outros apps na declaração de IR. Para isso, basta abrir o programa gerador da declaração e importar os valores do programa Carnê Leão.

É só clicar em “Importações”, na lateral esquerda do programa, e depois em “Carnê-Leão 2017”.

Ao importar os dados do Carnê-Leão, os rendimentos tributáveis serão lançados automaticamente na ficha “Rendimentos tributáveis recebidos de PF/Exterior”, na aba “Rendimentos do trabalho não assalariado”.

Já os rendimentos isentos serão lançados na linha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, no campo “24 – Rendimento bruto, até o máximo de 40%, da prestação de serviços decorrente do transporte de passageiros”.

Outro caminho possível é abrir o programa Carnê-Leão e exportar os valores para o programa gerador da declaração. Os dois programas devem estar instalados no mesmo computador.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//