OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Terca-Feira, 19 de Novembro de 2019

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

Mantida greve de servidores em SP

Com braços cruzados, servidores lutam pela revogação da reforma da previdência municipa, que aumenta o desconto nos salários. Os servidores estão há mais de uma década sem reajuste salarial. Greve dura 11 dias. Circulou nas mídias sociais imagem de uma orientação da prefeitura de cortar o ponto dos grevistas. Entidades já entraram na justiça contra esta atitude.

Por Paulo Campos dia em Nossos Direitos e Conquistas

Mantida greve de servidores em SP
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agência Trabalhador, 16/02/20019, 20:00 h - São Paulo

A greve dos servidores municipais da cidade de São Paulo chegou ao 11º dia e vai continuar por decisão da Assembléia dos servidores. Cerca de 220 mil servidores, entre professores, gestores, coordenadores, diretores e supervisores escolares, além de agentes de apoio participam da paralisação que parou cerca de 60% das escolas municipais - segundo o Simpeem - Sindicato dos Professores em Educação no Ensino Municipal. Os servidores pedem a revogação das mudanças nas regras da aposentadoria dos servidores sancionada em dezembro passado pelo prefeito Bruno Covas.

Haverá nova manifestação dia 15, sexta feira, às 15 horas e uma nova Assembléia Geral dia 19 de fevereiro as 14 horas. As duas manifestações acontecerão em frente à sede da Prefeitura de São Paulo.

Reajuste Salarial

Além da revogação da reforma da previdência municipal, os servidores reivindicam reajuste salarial da ordem de 10%. Segundo o presidente da OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil “a reforma da previdência é pauta a ser debatida em todo o país. A OTB discorda da maneira com que foi feita em São Paulo, sem debate, e quase `as escondidas`, evitando a participação dos trabalhadores ao fazer a votação às vésperas do Natal”. Ele completou afirmando que “é também inaceitável, inimaginável, que os servidores municipais sejam penalizados com uma legislação que impede os reajustes salariais. Como um pai de família pode sustentar seus filhos recebendo o mesmo salário que recebia há dez, doze anos atrás?”

A reforma que foi aprovada, aumentou a alíquota de contribuição dos servidores de 11% para 14% e criou um sistema de previdência complementar para todos os novos servidores que tenham remuneração superior à 5600 reais.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//