OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Terca-Feira, 19 de Novembro de 2019

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

MAZON é a principal entidade OTB no Amazonas

Manaus - Esta acertada a administração da OTB Amazonas pelo grupo MAZON que tem tradição de mais de 10 anos na defesa dos direitos do povo amazonense.

Por Paulo Campos dia em OTB no Brasil

MAZON é a principal entidade OTB no Amazonas
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agência Trabalhador entrevista Nilson Sato, presidente do Mazon,

24/05/2018 – 17:00 h – Manaus

Faltando poucos procedimentos para oficialização da instalação da OTB – Ordem dos Trabalhadores do Brasil no estado do Amazonas que será administrada pelo MAZON – Movimento Amigos da Zona Norte, entrevistamos Nilson Hiroshi Kanehira Sato, ou simplesmente Sato, presidente da associação. Ele tem 50 anos, é servidor público concursado e é pós-graduado em Direito, Administração e Ciências Contábeis.

AT – Como nasceu o Mazon?

Sato - O Mazon nasceu em maio de 2006, com uma pequena pauta sobre saúde, buscando fazer com que o governo cumprisse suas obrigações na região norte. Buscávamos na época, e ainda buscamos agregar a população, a comunidade, para juntos conseguirmos ter força para lutar por direitos que não são respeitados pelo governo. Com o tempo, fomos ampliando o alcance, buscando acesso e forçando a geração de políticas públicas que atendam efetivamente à todos os que necessitam.

“Trabalhamos fortemente a assistência e não o assistencialismo.” Nilson Sato, presidente do Mazon e futuro presidente da OTB Amazonas.

AT – Qual a abrangência da entidade hoje?

Sato – Hoje podemos comemorar a participação em 28 municípios. Temos mais de 130 mil trabalhadores cadastrados e contamos com a colaboração de 45 mil associados. Além disso, ampliamos a atuação para fora da sede no Amazonas e temos estrutura registrada, além do Estado do Amazonas, no Distrito Federal e Pernambuco, em fase de registro, estamos entrando em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Atualmente contamos com 22 conselheiros que formam 8 conselhos que atuam nas áreas de assistência social, habitação, merenda escolar, direitos humanos, meio ambiente, ConCidades e conselho paroquial.

AT – Estes anos de atuação, resultaram em resultados importantes, você pode nos contar algumas dessas realizações?

Sato – Claro, neste tempo e acredito que todo o percurso foi importante, pois serve de base para o que buscamos para o futuro do país, tivemos muitas vitórias – resultado de muito trabalho e (superação de) dificuldades – conseguimos habitação para 550 famílias, buscamos a concessão de aluguel social para famílias em áreas de risco, fomentamos o laboratório da agricultura familiar com diversas culturas de maneira a propiciar alimentação e renda para quem tem tão pouco, participamos do Mesa Brasil, fornecendo alimentação direta para 150 famílias, implantamos o Residencial MAZON para mais 160 famílias, buscamos a valorização dos agentes públicos e seu fortalecimento para fazer com que as políticas públicas saíssem do papel.

Além disso, preparamos nossos conselheiros para o debate com a “Escola de Conselheiros”, que também forma agentes de controle social que atuam no Tribunal de Contas do Amazonas e estamos atuando com o Núcleo de Proteção da Defesa Civil NUPDEC, com defensores populares que estão trabalhando em conjunto com a escola de defensores públicos da universidade estadual do Amazonas.

Nos orgulhamos de ter plantado umas 30 mil árvores aqui em torno no Igarapé do Passarinho onde fica nossa Sede.

São muitas frentes de atuação hoje e estamos com firme convicção que a OTB, que busca justamente a construção de um país mais forte através do crescimento do povo é parceira perfeita para a busca desses objetivos.

AT – Falando em OTB, como está a situação, as condições de trabalho no Amazonas, tão distante dos grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília?

Sato – Só em Manaus, segundo o IBGE são 240 mil desempregados – cerca de 12% da população da grande Manaus – e percebemos que a economia, quando se observa o dia-a-dia, a padaria, o mercado, o porto de gasolina, vem encolhendo gradativamente. Tem famílias retornando a seus estados de origem por falta de emprego. Também percebemos uma espécie de colapso na rede imobiliária: ninguém vende ou aluga imóvel e famílias desamparadas ocupam áreas particulares, pontes, viadutos e margens de igarapés urbanos. A educação está falida, mas, o principal é o fechamento de empresas do polo industrial por não suportarem a carga tributária.

A redução de impostos proposta pela OTB é, de maneira acertada, um caminho para a retomada do crescimento econômico, do retorno das empresas e com elas a diminuição do desemprego. Acredito mesmo,  que não haverá problemas de diminuição de arrecadação com a diminuição da cobrança. Mais empresas pagam mais impostos, mais trabalhadores pagam mais impostos, mais pessoas comprando, trabalhando e consumindo, fazem com que a máquina ande e que a arrecadação aconteça.

Precisamos disso.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//