OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil        Domingo, 17 de Novembro de 2019

OTB - Ordem dos Trabalhadores do Brasil - Trabalhando pelos direitos dos Trabalhadores

Promessa de abono em SP não saiu do papel. Bruno Covas mentiu?

Em março, Bruno Covas (PSDB) prometeu acrescentar abono os salários para amenizar perdas, mas nada aconteceu. Foto: Marcos Hermanson

Por Anderson Luna dia em Nossos Direitos e Conquistas

Promessa de abono em SP não saiu do papel. Bruno Covas mentiu?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Agência Trabalhador - São Paulo Capital

por Marcos Hermanson

Servidores municipais dos níveis básico e médio protestaram na frente a Prefeitura de São Paulo contra o descumprimento da promessa de abono salarial temporário feita em março deste ano pelo prefeito Bruno Covas (PSDB), após uma greve de 33 dias.

Na ocasião, o prefeito informou que um abono salarial de R$ 200 mensais (para servidores de nível básico e R$ 300 mensais para os de nível médio)* seria conferido a todos os servidores ativos até que as mesas de negociação com a categoria se concluíssem.

“É um descaso com os trabalhadores. Eles só chamaram a mesa [de negociação] porque nós fizemos pressão na Câmara. Se não tiver resposta, temos uma tendência de paralisação do nível básico e médio da prefeitura. Se paralisar, os serviços acabam não funcionando”, diz Ségio Chulapa, presidente do sindicato dos servidores (Sindsep).

Além de exigir o cumprimento da promessa, os sindicalistas reivindicam o pagamento do abono também aos servidores aposentados, mais reajuste salarial de 40%. O piso dos servidores do nível básico é de R$ 755. No nível médio, é R$ 920. 

“Nós não somos nada. Não querem escutar a gente, não querem conversar. Na prefeitura, os agentes de gestão e de apoio são em torno de 12 mil. É uma categoria que faz a diferença”, diz Ana Cristina Santos, que trabalha na Autarquia Hospitalar Municipal. 

Adilson Saraiva trabalha na Regional da Sé. Ele fala da situação difícil dos servidores: “O último ajuste salarial que nós tivemos foi em 2008. A gente fica se virando, [pega] empréstimo consignado, enrola uma dívida com a outra”. 

Muitos de seus colegas, ele diz, estão em situação semelhante, se endividando para sobreviver. Saraiva acredita que a situação pode levar o funcionalismo a uma paralisação semelhante à ocorrida quando da votação do Sampaprev – proposta de reforma do sistema previdenciário dos servidores municipais apresentada pelo então prefeito João Dória e levada adiante por seu sucessor, Bruno Covas. “O pessoal já não tem mais paciência”. 

Fonte: BDF

*Acréscimo AT

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui:

//